Pesquisar este blog

Traduzindo

domingo, 12 de janeiro de 2014

Praticando a Teoria - Refletindo no Táxi


Ontem, sábado, fui à Barra da Tijuca aprender sobre Canalização e Purificação com o Cristal Líquido. Estava muito calor e ao fim da tarde, depois do curso entrei no Barra Shopping para um lanche. O shopping estava lotado e barulhento e eu muito relaxada com o curso, peguei logo depois um taxi para casa.

Logo ao sair, o motorista me pareceu muito agitado e aborrecido. Começou a resmungar ainda dentro do shopping pois já havia engarrafamento para sair. Resolvi relevar pois era realmente chato ficar parado por muito tempo. Ele saiu do shopping e logo pegou  um longo engarrafamento ao lado do Via Parque, coisa frequente nesse horário. Ele gemia e dizia: 
- Ai, meu Deus!!!!!!! Ai, meu Deus!!!!!!!!!!!!!!!!!

Achei aquilo tão esquisito e me senti incomodada demais. Comecei a me inquietar também. Não achei esse comportamento condizente com o ambiente de trabalho dele (o taxi) e com a passageira que o paga (no caso, eu.)

Ele abriu os vidros e desligou o ar condicionado. Motos passavam ao lado buzinando com insistência. 
Ele gritou: 
- Nossa, que saaaaaaaaco!!!! Vocês têm medo de morrer mesmo , heim!!!!!!!!!!

E começou a resmungar de novo. Pensei em descer ali mesmo. Pensei em dizer algo. Nossos olhos se cruzaram no espelho retrovisor. E o que li neles foi devastador. Senti toda sua revolta e raiva, senti sua dor. Era forte e intenso. Não sei o que havia acontecido com ele mas ele estava no limite. 

Eu perguntei: - Problemas com o carro? 
Ele responde: - Desligo o ar quando no engarrafamento pois ele não gela. 

Pareceu responder na defensiva, esperando alguma grosseria de minha parte. Sentindo ainda o incômodo dele, a raiva, a impotência, a revolta, me voltei pra dentro de mim e rezei por ele.

Rezei por ele do modo que me veio. 
Pedi calma e conformação. Para ele e para mim.
Pedi que ele pudesse enxergar o Eu Superior dele, sua parte amorosa e terna. 
Pedi que ele pudesse perceber o melhor dele. 
Pedi a Arcanjo Miguel que o protegesse. 
Pedi a Saint Germain a Chama Violeta de modo abundante ali naquele carro e naquele homem. 
Fiz Ho'oponopono, repetindo sinto muito, me perdoa, eu te amo , sou grata, inúmeras vezes, entendendo que e eu não estava ali à toa e podia fazer algo. 
Ancorei todas as energias que conheço.

Quando saímos da Barra, ele ligou o rádio e o ar condicionado de novo. Música suave. Ele em silêncio e sem resmungar. Continuei meu trabalho e pude perceber outro ambiente ali, algo mais calmo. Chamei os anjos para ficarem por ali.

Ao chegar em meu condomínio, eu paguei a ao sair do carro disse a ele:
- Bom trabalho e bom caminho de volta.

Ele respondeu:
- Se Deus quiser.

Parecia outro homem. Não o mesmo que havia saído do shopping há alguns minutos.

Escrevi isso tudo para mostrar que a teoria sem a prática nos momentos difíceis de nada vale. Muitas vezes podemos, sim, evitar situações de stress, mas em outras, nossa presença pode fazer a diferença quando podemos sair do drama e enxergar a situação como um todo.

Dessa vez, eu consegui. 
Espero que ele esteja bem.

Angela Cunha

4 comentários:

  1. Que lindo, Angela! Acho que esse é o grande lance: perceber que podemos fazer a diferença nas pequenas coisas do dia a dia!! Bjs

    ResponderExcluir
  2. Que maravilha amiga.... ser instrumento da luz e da paz neste mundo tão necessitado.Praticar sempre!! Namastê!

    ResponderExcluir
  3. Sim, a prática é o que importa realmente, não é? E se for nos momentos difíceis, melhor ainda.
    Beijo
    Namastê!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...