Pesquisar este blog

Traduzindo

domingo, 6 de outubro de 2013

A TRIBO TERRESTRE ORIGINAL


KIRAEL: Eu agora gostaria de levá-los de volta no tempo, até uma época na qual este lindo planeta Terra era desprovido de toda e qualquer luz humana. Oh, é claro que existia o “entrelaçamento” do reino mineral, existia o entrelaçamento dos vegetais e, sem dúvida, o planeta também já contava com o entrelaçamento composto pelos animais, porém era totalmente desprovido desta Luz humana.

Foi parte da sabedoria do Criador o ato de aqui manifestar a mais bela energia que possivelmente se poderia contemplar. Pois, como vocês vêm, o Criador tem a habilidade, pelo poder do pensamento, de manifestar este padrão energético dos mais belos. O Criador consegue condensar um número suficiente de partículas de luz e entrelaça-la de uma maneira magnífica, de modo a constituir aquilo que denominamos “Nós, o Povo” da Terra.

Sempre que o Criador manifestava esse mais belo elemento de amor (isto é, a humanidade), ele o fazia perto do centro da Terra, no que vocês hoje chamam de região do equador, pois é aí que ela teria a maior oportunidade de prosperar. Era aí que as condições de vida seriam as mais simples. Ela seria capaz de viver do peixe dos mares e comendo das frutas do entrelaçado vegetal. E teria todo o necessário.

Deixem-me levá-los de volta aos tempos da Tribo Terrestre Original, aquela tribo cujo sistema de governo em sua maioria era realizado através da vibração considerada a mais elevada. Apesar de vocês hoje em dia utilizarem a palavra “amor” para isso, naquele tempo existiam outros termos, usados para descrever a maneira pela qual eles mantinham aquela energia pacífica. Isso, meus amigos, pode muito bem ser traduzido pelo que eles chamavam de “conduta justa”. Eles eram sempre justos uns com os outros.

Como faziam para distinguir entre o que é justo do injusto? A resposta está nos sentimentos de amor deles. Apesar de na época não existir uma palavra para amor, havia uma sensação física que eles sentiam em seus corpos, uma ressonância que sentiam sempre que a pessoa agia na plenitude da verdade. Quando essa pessoa assim agia, nada podia ser questionado. Todos eram acolhidos no Grupo de “Nós, o Povo”, a não ser que essa pessoa ou pessoas demonstrasse não ser confiável. Em um determinado momento, quando alguém não conseguia mais sustentar aquela grande força da verdade, ele ou ela era expulso da tribo. Pode ter sido aí que tenha começado a  ser criada a primeira semente da oposição yin/yang que é vista hoje.

Os seres da Tribo Terrestre Original foram os pioneiros da vossa experiência humana como a vêm hoje. Sempre aconteceu que o Criador observa as suas próprias criações enquanto elas se desenvolvem. Isso sempre tem início, como eu já disse, ao redor do equador e então, aqueles que realmente desejam explorar começam por conta própria a andar em direção ao norte ou ao sul do equador. Na maioria das vezes, eram aqueles expulsos da tribo por faltar à energia da verdade os primeiros a se mudar para longe da linha do equador.

Quando se moviam para o norte ou o sul, eles se tornavam, por necessidade, seres muito mais fortes. Tinham que encontrar peles ou outras coisas com que cobrir seus corpos, para poder aguentar as variações climáticas. Ao invés de ficarem deitados na praia, eles tinham que construir abrigos. De forma que seus cérebros consideraram as diversas possibilidades. Eles se valiam de uma inteligência muito mais forte para garantir sua sobrevivência; e, quanto mais longe eles iam, mais forte sua inteligência se tornava.

Apesar desses seres se afastarem mais e mais da bela linha do equador, eles ainda eram considerados membros da única Tribo Terrestre Original. Meus amigos, vocês necessitam entender que, nos primeiros tempos, essa sociedade era em sua maior parte baseada na energia matriarcal. Ela era supervisionada pelas mães e pelas esposas; pela sabedoria da energia feminina, que se sustentava na plenitude do Cromossomo X. O feminino não usava mal suas energias; ele apenas a utilizava para guiar a sociedade através do amor e de sua própria fé.

Eles criaram algo que hoje vocês chamam de canção e dança; é assim que sua história era registrada. Sua história era mantida a partir das maravilhosas canções desses belos tempos; essas canções foram então traduzidas em forma de danças, que foram disseminadas por todos os membros de “Nós, o Povo”. Mesmo aqueles que foram para o norte ou o sul se mantinham em sintonia com a energia matriarcal daquela parte da tribo que habitava a região do equador.

Essas belas expressões da energia feminina traziam a este plano terrestre uma dádiva muito especial, a da comunicação. Na comunicação deles, a palavra não precisava ser pronunciada. Um simples olhar, um simples murmúrio, um simples grunhido tinham o seu significado especial; muito depressa, cada expressão dessas se tornava unificada na consciência de toda a tribo.

Quando as canções eram cantadas e as danças eram executadas, isso se tornava um fato evidente por toda a extensão de “Nós, o Povo”: a consciência de que toda a tribo era Um Só. Não importava o quanto alguém tivesse decaído de sua primitiva condição de verdade e graça desde sua saída da tribo; ele ou ela sempre estava integrado ao anel de comunicação através dos belos ecos dessas canções.

Contudo, essas canções não eram somente cantadas com as cordas vocais. Vejam bem, a energia matriarcal, a energia feminina, cantava utilizando-se da mente. Quando ela cantava, ela o fazia através e por todo o mundo, para que outros repetissem sua canção. Essa canção provavelmente era mais poderosa que os seus computadores, pois uma simples canção dessas conseguia dar a volta ao mundo em um tempo mínimo, porque não precisava de uma voz para lhe servir de veículo. Era uma voz cantada a partir do coração, transferida através de um lindo processo mental, energizada pelas emoções e transmitida na luz do espírito. Nela vocês sempre encontrarão a fonte unificada de “Nós, o Povo”.



Hoje, quando vocês olham para o mundo, vocês vêm ou sentem que as pessoas estão diferentes; sentem que algumas são mais trevosas, outras mais iluminadas. Algumas parecem mais inteligentes, outras menos; algumas parecem mais envolvidas com sua beleza, enquanto que outras não parecem ligar muito para isso. Vocês haverão de ver que a humanidade ainda se constitui em uma tribo original.  Pois logo vocês haverão de retornar a essa sociedade matriarcal. É por isso que hoje nós, os membros do plano dos Guias, lhes sugerimos que prestem atenção ao processo de energia feminina que agora aumenta sua potência em todo o planeta. Nós esperamos que vocês a olhem de maneira diferente, não como a ameaça que ela antes foi.

Veio um tempo em que a tribo se fragmentou em diversas tribos, expandindo-se; mesmo assim, ainda era a força matriarcal que cantava ao redor do centro da Terra a fonte que alimentava a todos. Foi então que o ressentimento se deu, pois havia aqueles que, digamos, queriam suplantar esse antigo meio de vida e encontrar algo novo. Assim, eles reduziram a energia do espírito. Começaram a fingir que o espírito não tinha nenhuma relação com o seu mundo. Da sua maneira particular, eles fingiram que o humano estava separado da força do Criador, dos anjos e dos guias.

O que fizeram os anjos e guias então? Eles foram forçados, pela Luz do Criador, a concordar e recuar. E a Tribo Terrestre Original assim perdeu a sua força. A matriarca tornou-se mais e mais fraca. Ela não mais conseguia cantar a sua canção tão alto como antes.

E então, meus amigos, aconteceu. Apareceu algo, algo que ainda hoje em dia tem lugar em sua Terra. Apareceu o medo. Esse medo se opunha a todas as coisas lindas que tinham tido lugar no planeta até então. Medo de que um fosse melhor que o outro, que um fosse mais esperto que o outro, de que um conquistasse o outro. Foram esses medos que começaram a ter lugar.

Assim , a tribo original e única sofreu uma fragmentação ainda maior em outras tribos. Elas procuravam falar diferente umas das outras. Era a forma que uma tribo encontrava de esconder o que sabia das outras. Essas tribos se expandiram e começaram a dominar certas áreas, onde as outras não podiam entrar. Hoje vocês chamariam isso de fronteiras. Não importa para onde fossem, elas sempre se espalhavam pelo medo. Aquelas tribos temiam o espírito; elas tinham medo da Tribo Terrestre Original.

E assim a Tribo Original morreu, meus amigos, porque ela não mais teve o amor para alimenta-la. Ela não comia comida nenhuma; era sustentada pela força do amor. Foi isso que sempre a tinha mantido tão amorosa e cheia de energia – amor. O que antes era uma única Tribo agora tinha se transformado em várias tribos; e essas hostilizavam-se mutuamente e reuniam forças umas contra as outras.

Agora vou avançar rápido até os dias de hoje, em que vocês ainda vivem com medo do espírito. Muitos em todo o mundo gostariam de fingir que apenas existe o mundo humano, de que não existe nenhuma tribo da luz. E ainda assim, meus amigos, nós do mundo espiritual decidimos que os amamos tanto, que decidimos que vocês não mais haverão de nos afugentar. Nós não seremos abandonados. Nós ficaremos firmes. Nós não os empurraremos, mas também não recuaremos, para que vocês possam vir em nossa direção.

Vocês descobrirão que somos do mesmo jeito que era a sua sociedade matriarcal no início. Descobrirão que nos baseamos neste lindo mundo do amor. Encontrarão a liberdade dentro de nossa luz, pois nós não os julgaremos. Nós os escutaremos de coração aberto. Sempre que a oportunidade se apresentar, abriremos nossos corações para estarmos ao seu serviço. Não sugeriremos que vocês façam isso ou façam aquilo, mas estaremos alinhados com a força do Criador.

Vocês estão perante a Grande Mudança de consciência; esta Grande Mudança é a energia pela qual todas as tribos mais uma vez se tornam Uma. Esperem isso, meus amigos. Vocês podem olhar para o passado, podem olhar para o que pode ser o futuro, mas entendam isso: uma canção está sendo cantada nas alturas, uma canção que é sustentada por nossas forças angélicas. Elas estão cantando uma linda melodia e também pediram a nós, do plano dos Guias, que cantemos junto. E agora nós juntamos nossas vozes. Então, agora quando vocês andarem por aí, quando andarem pelas suas matas ou ao longo das suas praias, quando ouvirem aquele lindo murmúrio da Mãe Terra, eu quero que vocês saibam muito bem que a própria Mãe Terra também juntou sua voz à nossa.

Nós cantamos sobre os tempos que virão, sobre os amores que serão despertados, sobre as luzes que haverão de brilhar. Estamos cantando uma só canção,  a canção de um só povo, em que as fronteiras se desvanecem, as línguas se fundem e onde a realidade é uma de similaridade de experiências.

Na luz de uma força que uma vez  já esteve alinhada com a energia matriarcal na aurora de seu planeta,  nós cantamos a canção de suas religiões; não para arranca-los delas, mas sim para ajuda-los a entender o porque delas terem surgido. Vocês a escutarão, meus amigos. Vocês escutarão o Grupo. Vocês escutarão Kryon. Escutarão a Mãe Terra, Gaia. Em breve escutarão todos eles cantando  uma canção muito similar, pois eles estão escutando e atingindo uma maior clareza. Estão escutando a canção para que a paz prevaleça sobre a  vossa Terra.

Como poderão vocês, meus amigos, chegar a essa grande unidade, quando não compreendem a linguagem uns dos outros? Vocês conseguirão isso quando abrirem seus corações para a percepção de que “Nós, o Povo” podem se alimentar mutuamente;  para a percepção de que tudo aquilo pelo qual já passaram tem sido uma grande jornada para vocês. Agora, a canção única precisa ser cantada. É uma canção de paz. É uma canção de luz. E, o mais importante:   a nossa canção, a canção das energias da Terra. Vocês encontrarão a sua canção quando estiverem prontos. Ninguém consegue forçar qualquer outro a cantar a canção de paz e harmonia.

A canção começa  a ficar cada vez mais alta, com os anjos cantando bem alto, com toda a beleza do plano dos Guias cantando a uma só voz, enquanto a própria Mãe Terra murmura uma canção. Apesar de vocês poderem escuta-la e pensarem que ela chora, suas lágrimas são de alegria, pois ela consegue senti-lo. Ela consegue sentir os anjos. Ela consegue sentir os guias. Ela consegue sentir a fonte do Criador, dando bênçãos de luz por toda parte. Ela consegue sentir todas as ocasiões em que um dos membros de “Nós o Povo” acende a sua fonte de luz interior. Ela consegue sentir quando alguém abre seu coração e diz “aloha” a todos que estão a seu redor em todo o mundo.

A Mãe Terra está cantando a canção do universo. O vosso universo é tão vasto – maior que seus sonhos mais grandiosos – mas ainda assim é essa a mesma canção que vocês eventualmente cantarão. Trata-se da canção do espírito. O espírito é o que se move entre vocês. Não é as suas expressões faciais ou o seu aperto de mãos. Trata-se do espírito que se move de você para o outro e para outro ainda, dando-lhes  o conhecimento de que tudo está em paz. Vocês saberão instantaneamente quando alguém não estiver em paz. Vocês apenas se dirigirão para onde houver paz.  E mais uma vez haverá uma Tribo Original no plano terrestre e muitos dentre vocês viverão para ver isso acontecer. Muitos dentre vocês presenciarão a luta daqueles que resistirem a isso, quando eles lutarem suas batalhas o melhor que puderem. Contanto que “Nós, o Povo”, que sustentamos essa canção, nos recusarmos a lutar com eles,   “Nós, o Povo” haveremos de experimentar a liberdade. Apenas continuem a cantar. Se aqueles que resistem ameaçarem a vida de um de vocês, saibam que vão continuar a cantar a partir de outro nível de consciência;  continuem cantando a canção da liberdade, da liberdade de toda a opressão.

Por favor, entendam que “Nós, o Povo”, a  Tribo Terrestre Original, vamos ter sucesso nisso, um sucesso muito maior do que possam imaginar. Falamos acerca da Grande Mudança e , meus amigos, trata-se de uma Grande Mudança em Consciência. Já é tempo dessa energia original, que um dia já foi direcionada por uma energia feminina equilibrada, mais uma vez se reerga, sem mais precisar ser transmitida por nenhum intermediário, mas sim falando diretamente na luz.

Já é tempo das energias masculinas se reequilibrarem – afastando-se dos deuses da guerra e de energias belicosas, de  modo a se alinharem com a canção, com a bela melodia da paz. E isso se dará, meus amigos; vocês não precisam se preocupar. Isso é apenas uma questão de tempo, e o tempo é uma ilusão. Ele deverá se acelerar ou retardar, conforme isso seja necessário.

“E quando virá esta Grande Mudança?”, vocês me perguntam. E eu lhes respondo: “Olhem ao seu redor”. E haverão de chegar ao dia em que aqueles como Kirael e Kryon e Gaia e todos os outros guias e guardiães e anjos, juntamente com seus belos médiuns, haverão de se reunir todos e falar como em uma só canção, a uma só voz.

Ela começa agora, meus amigos, de uma maneira que vocês jamais viram antes. Vocês estão apenas provando do menor fruto desta Grande Mudança, um tempo no qual o mundo não mais viverá em guerra, em que o mundo não mais viverá em processos definidos, no que vocês chamam de religiões, que assumem a tarefa  de matar aqueles que pertençam a outras religiões. Isso são coisas do passado. A canção não haverá de ressoar nos corações daqueles que assim pensarem;  eles se sentirão tão solitários, que desejarão juntar-se à canção. E quando a cantarem, eles o sentirão.

Cantem comigo neste dia. Cantem o “Om” da luz. Que a paz prevaleça em seu coração único, no coração da Tribo Terrestre Original. Isso pode ser feito. Isso pode ser feito. É a presença da grande força do Criador que diz: “Seja feita a tua vontade. A canção há de ser cantada.”

A canção de que eu falo emana de todos os níveis de consciência. Eu só falo isso para que consiga chamar a atenção de todos para o seguinte: no dia em que a irmandade da Federação Galática aqui aterrissar em suas naves, eles haverão de lhes cantar, de cantar para o povo da Terra. Será então que vocês saberão em seus corações sobre tudo aquilo que eu hoje estou falando. Pois hoje vocês conseguem escutar os anjos cantando; vocês podem escutar a canção dos guias.

Quais são as necessidades básicas do ser humano? Obviamente, vocês necessitam alimentar a vossa unidade, o processo denominado corpo humano. Também precisam mante-lo em uma condição de conforto e necessitam estar uns com os outros. A trindade de que necessitam se chama: comida, conforto e união.

Se desejam descobrir como manifestar a paz, perguntem a quem quer que seja que esteja gritando: “Vamos à guerra!” em que parte o intento dessa pessoa se encaixa para satisfazer essas necessidades humanas básicas. A energia dela poderá ser de responder que é porque nós precisamos defender a nossas fronteiras. Mas foi justamente assim que a energia  da Tribo Original da Terra  começou a se fragmentar – através da necessidade de defender as fronteiras.

Quando vocês utilizarem esses três pontos comuns da experiência humana – comida, conforto e união – vocês terão uma noção mais clara de que tudo de que precisam é provido pela Mãe Terra,   pela força do Criador e é alimentado pela luz dos anjos e dos guias. Nós tomaremos parte na sua unificação. Nós participaremos da tarefa de conduzi-los a lugares onde aprenderão a “conversa de almas” para falar conosco, quando se lembrarão como fazer para falar de um coração para outro. Nós os levaremos a lugares onde há abundância e onde não precisam se matar mutuamente para obte-la. Vocês apenas precisarão trabalhar uns com os outros, para se certificar que a pessoa esteja alimentada, que tenha roupas e abrigo, também que tenha amor para compartilhar. Será isso tão simples assim? Deus abençoe, é tão simples assim.

Há apenas uma verdade que vocês necessitam reconhecer – a de que há algo que criou a força que os faz viver “dentro” e “sobre”.  Quando digo “dentro”, refiro-me ao corpo. Vocês consideram que ele tem fronteiras, porque têm pele, mas essas fronteiras não são reais, porque além dela está toda a sua luz universal.

Quando vocês encontram a verdade, vocês a divulgam através de seus corações, sem precisar defende-la de nenhum modo. Quando vocês falam uma verdade, vocês a pronunciam através de seus corações. Vocês sabem que isso vem do coração, porque não têm mais que defender essa verdade. Ela é falada e sentida dentro de vocês. E também é sentida pelos que estão ao seu redor. Pois a verdade universal, da qual eu falo, é algo que não necessita ser defendido, pois trata-se de uma declaração amorosa, que permite a cada um saber que ele ou ela é alimentado por essa verdade.

Quando a canção é escutada, quando a canção é sentida, ela se torna parte de vocês, de uma forma tal que ela se torna vocês. Vocês então não mais procuram pela melodia dentro dela; apenas têm que se permitir sentir a presença de seu amor. Esses medos que vocês sentem que necessitam curar apenas serão curados quando vocês forem assim.

De modos que vocês apenas necessitam se concentrar no seguinte: na cura se seu ser através da canção que está sendo cantada. Trata-se da canção do espírito. É por isso que muitos dentre vocês, que lêem um artigo como este, são chamados de espiritualistas, de trabalhadores da luz. Vocês são parte desse despertar do original. Isso não necessariamente os torna uma parte da energia original neste momento atual, isso porque vocês talvez ainda não tenham conseguido ouvir a música. Enquanto vocês estiverem tentando entender o espírito, a espiritualidade, o trabalho da luz, vocês procurarão pela canção. Virá um dia em que vocês cantarão com os lábios fechados e um dia esse murmúrio se transformará em um coro de grandeza, que haverá de se espalhar como uma música por toda a Terra. Vocês não mais necessitarão olhar para trás e procurar curar aquilo que está prejudicando a Mãe Terra, simplesmente porque a única coisa que prejudica a Mãe Terra é a falta daquilo de que ela necessita – e isso se chama Amor.
Deem-lhe Amor e não mais haverá nada a curar.

POR MESTRE KIRAEL, ATRAVÉS DA AMOROSA MEDIUNIDADE DO KAHU STERLING


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...