Pesquisar este blog

Traduzindo

segunda-feira, 13 de maio de 2013

AS MÃES, A MATERNIDADE E O FEMININO DIVINO

  


O Dia das Mães nos Estados Unidos foi comemorado neste fim de semana e é um dia que nos afeta em muitos sentidos, dependendo de nossa relação mãe/filho. Alguns dos meus clientes temem este dia, pois eles lamentam o falecimento de suas amadas mães. Outros, que ficam irritados com as suas mães, passam o dia zangados, ressentidos e frustrados. Alguns destes meus clientes sem filhos choram pelas crianças que nunca nasceram.

Vários dos meus clientes que experienciaram a perda inimaginável de um filho, passam-no em silêncio, lamentando a sua perda. E outros passam um dia cheio de alegria, de gratidão e de satisfação com a sua mãe. Cada um deles, e muitos de vocês, têm uma experiência diferente da energia da mãe. Se esta experiência foi maravilhosa ou terrível, ela cumpriu um propósito em sua vida e se vocês não limparam as suas emoções em relação a isto, estão negligenciando um aspecto importante do crescimento de sua alma.

Esperamos que as nossas mães atendam as nossas necessidades físicas e emocionais de formas que nos permitam nos tornarmos adultos satisfeitos e felizes. Mas nos esquecemos de que antes do nosso nascimento, criamos um contrato com o ser que se tornaria a nossa mãe nesta existência e que trabalharia de maneira que ela nos capacitaria e nos proporcionaria o melhor caminho para a nossa cura.

Lições de poder são raramente fáceis e geralmente envolvem uma grande quantidade de falta de poder, para que possamos encontrar o nosso poder em nós mesmos. Embora no momento da maternidade esteja a mulher doce e gentil que enxuga as nossas lágrimas, trata de nossos ferimentos e prepara a nossa alimentação, nossa própria experiência da energia da mãe pode ser muito diferente.

Mas cada mãe e filho compartilham um vínculo, cujo propósito é a cura, o crescimento, o perdão e a transformação que acaba por conduzir ao final de um ciclo cármico e nossa evolução para novas dimensões do ser.

A jornada de nossa mestria evolui à medida que somos capazes de limpar as camadas de energia e em cada aspecto da cura, chegamos a um ponto onde devemos estender a compaixão, o perdão e a aceitação para completarmos o ciclo de cura. Esta é a bifurcação na estrada para nós, e o próximo passo ou nos leva adiante, para a iluminação e a ascensão, ou de volta, para a dor do passado.

Tanto quanto queiramos lamentar, divertir, termos raiva ou lamentarmos pela escolha de nossa mãe, ou exigirmos um pedido de desculpas dela por todas as coisas que ela fez ou não fez, a direção do caminho de nossa vida depende de nossa disposição em dominar as nossas emoções, incluindo aquelas que temos em relação a nossa mãe.

Quando fechamos os nossos corações por causa de nossas experiências dolorosas ou difíceis com a nossa mãe, cortamos também o acesso a nossa energia feminina divina.

Não vamos confundir a mãe e a maternidade com a energia do feminino divino, porque elas são duas coisas diferentes. Nossa mãe desempenha uma função social e biológica. A energia do feminino divino é uma construção energética que é expressa através de nossa capacidade de sermos criativos, compassivos, carinhosos e atenciosos.

Não é exclusiva ao ser humano feminino, mas é parte tanto do masculino, quando do feminino. Tanto o nosso pai, quanto a nossa mãe podem nos ensinar sobre a energia do feminino divino e como usá-la em equilíbrio com o masculino divino. É o desequilíbrio que eles nos ensinam, refletindo o próprio desequilíbrio deles. No entanto, isto pode ser o portal para a nossa maior cura e transformação. 

Mas, nós julgamos o feminino divino através do que experienciamos com a nossa mãe humana e negamos este aspecto de nós mesmos, como uma rejeição desta relação e é assim que perdemos o contato com o feminino divino.

Não importa como a sua experiência da relação com a mãe realizou-se em sua vida, ela foi parte de sua jornada e vocês não foram um participante relutante, mas um co-criador disposto.

Como podemos lidar com a nossa experiência da energia da mãe?
Separando a verdade da ilusão.
A verdade é a nossa jornada espiritual.
A ilusão é como isto é realizado no mundo material.

A partir de uma perspectiva espiritual, a nossa mãe é simplesmente uma manifestação energética de um ser espiritual, cujo propósito é nos ajudar a curar os ciclos cármicos. Em nosso mundo material, a energia da mãe é uma lição em emoções, poder e capacitação, cura, transformação e evolução.

O Karma não é uma rua de sentido único: participamos de todas as transformações desta jornada também. Vocês podem mudar a ilusão para qualquer coisa que reflita a sua visão mais querida para a sua realidade e curar e liberar todos os aspectos do seu passado para os quais estão preparados. Assim a visão pode se desdobrar de maneiras mais poderosas, capacitadoras e curativas.

A desconexão é uma maneira poderosa para mover as conexões energéticas para as suas oitavas mais elevadas. Nossa intenção para se desconectar da energia com que não mais desejamos estar conectados, é um convite para todos em nosso grupo de almas e de nosso ciclo cármico para mudarmos para uma nova vibração.


Mensagem de Jennifer Hoffman
13 de Maio de 2013.

www.urielheals.com
Tradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...