Pesquisar este blog

Traduzindo

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Alzheimer


Atendi com sessões de Terapia Multidimensional um senhor com diagnóstico de Alzheimer. A filha, médica, trazia a filha adolescente para sessões comigo há algum tempo e viu bom resultado com essa técnica. Então me perguntou se eu atenderia seu pai, de 82 anos, com algumas sessões. Ele vinha em companhia da filha, chegava educado e sorridente e imediatamente aceitava o convite para deitar-se na maca. Depois disso, dormia profundamente durante todo o trabalho. 

Na Terapia Multidimensional, tanto o terapeuta como a pessoa atendida fica em silêncio durante o processo. Há normalmente um relaxamento profundo do paciente e o adormecer é frequente. O terapeuta entra numa espécie de desdobramento, acionando a energia do coração e algumas imagens podem surgir. A pessoa é tratada por uma equipe de cura multidimensional. Algumas vezes o paciente também acessa imagens, cores e pode receber mensagens importantes.

Na segunda sessão com esse senhor, durante o processo algo aconteceu. Eu estava de olhos fechados e o "vi" levantar da maca com facilidade. O corpo dele permaneceu deitado, dormindo aparentemente, mas seu duplo levantou e se colocou em frente a mim. Ele estava sorridente e segurou minhas mãos. Agradeceu pela oportunidade de estar ali e por eu estar tratando de sua neta. Parecia lúcido e tranquilo. Depois, voltou ao corpo. 

Então, um ser extrafísico me disse que ele havia escolhido adoecer com Alzheimer. Havia sido em muitas vidas uma pessoa onde a rigidez e a severidade estavam presentes de modo intenso. Dominava a família, era um crítico cruel, impunha regras severas a si mesmo e aos outros e não admitia erros. Isso havia causado muito sofrimento a todos e a ele mesmo. Então, ele havia escolhido adoecer desse modo, para conseguir quebrar esses rígidos padrões, já que por  vidas não havia conseguido, caindo sempre no mesmo padrão de repetição. O que me surpreendeu foi que o ser acrescentou que ele não precisaria adoecer para mudar o padrão. Bastaria apenas MUDAR! Mas parecia que para ele adoecer era mais fácil, surpreendentemente. 

Terminamos o trabalho e ele se despediu educadamente, parecendo alheio novamente. 
Conversando depois com a filha dele sobre isso, ela me disse que se lembrava que ele era exatamente como  o descrito, desde que ela se lembrava dele na infância. Ele parecia outra pessoa após adoecer e ela sempre se perguntava como era possível.

Eu comentei com ela que o Eu verdadeiro dele estava lúcido e saudável (o que falou comigo). Que ele apenas representava um papel aqui, o papel que lhe pareceu o melhor para curá-lo. (por mais estranho que isso possa parecer).

Depois de mais umas duas sessões, não mais o encontrei. Nem durante o trabalho tive outro contato como esse, com ele lúcido. Mas guardei essa lição para sempre. Não precisamos escolher a dor. Podemos nos curar de modo mais leve, apenas MUDANDO. Geralmente SABEMOS onde estão nossos nós, não é?

Angela Cunha 

2 comentários:

  1. Pois é Angela, a gente cria pontes e também precipícios, talvez precisemos ainda não sei se corretamente seria o termo "optar" pela doença, limitação, seja qual for, mas sim não compreender conscientemente que a mudança é possível para o bem. O duplo dele talvez optou pelo castigo , o mais conhecido dele, o outro lado do controle era exatamente se entregar sem controle algum, esse universo era já conhecido. Como ainda navegar em mares nunca dante navegados?
    Beijo querida.

    ResponderExcluir
  2. Exatamente isso, Sandra.
    O que não seria o mundo se nós finalmente praticássemos a aceitação de que é sim, possível?

    Beijos, querida.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...